21/09/2018

A poderosa voz de Adele

O erro é quase imperdoável para um jornalista de cultura. Mas foi só nesta semana que parei para escutar Adele com a atenção que ela merece. Obviamente que antes de escutá-la com a devida atenção, eu já sabia de sua existência. Seu segundo álbum – 21 – há meses circula de mesa em mesa aqui na redação. Não ignorei o sucesso que ela está fazendo. Foi somente nessa semana, no entanto, que liguei os pontos: quer dizer que aquela voz poderosa com uma música completamente irresistível que é “Rolling In The Deep” é de Adele? Meu Deus!

E descobri Adele quase que por acaso em Los Angeles, no Hard Rock Café de Hollywood. Fui ao bar para tomar uma cerveja e comer aqueles tradicionais hambúrgueres big size deles. Naquele noite a jovem cantora californiana Courtney Chambers era a atração numa semana dedicada as vozes femininas da cidade. Eis que entre uma mordida e outra no sanduíche, percebo que Courtney senta-se no piano e toca “Someone Like You”, da Adele. Eu assumo. Não sabia que essa música era da Adele. É aí que entra a magia da música de Adele. Imediatamente a força da canção me chamou a atenção e eu passei a gravar com meu iPhone Courtney tocando (veja o vídeo abaixo). As únicas coisas que eu pensava eram: Que música é essa? Essa garota compôs essa incrível música e está aqui, tocando de graça num barzinho para pessoas que nem estão prestando atenção? Mas não. A música não era dela.

Só fui ligar os pontos depois. Nesta semana, navegando a esmo no YouTube, me deparo com o vídeo de Adele interpretando “Someone Like You” ao vivo no O2 Arena (o vídeo também está abaixo). Antes, eu tinha lido na revista Rolling Stone deste mês uma reportagem com a cantora. O texto dizia que Adele está conquistando aos poucos seu público. E a estratégia é esta que me conquistou. Eles querem que o público descubra Adele quase que por acaso e se perguntem: Mas que garota é essa? Na mesma hora me lembrei da música do Hard Rock Café e tudo passou a fazer sentido. A força da música me conquistou antes mesmo de eu conhecer sua intérprete. Daí para caçar os dois discos de Adele “19” e “21” perdidos aqui na redação foi um pulo. Desde então tenho escutado repetidamente Adele no meu iPod.

A música dela está em todas as rádios, populares e eruditas. Há reportagens sobre ela em todos os suplementos culturais. Além dela ter ganhado os prêmios mais importantes. Dentre eles o Grammy de revelação do ano de 2009. Ironicamente, em 2008 foi este prêmio foi entregue a Amy Winehouse. Há uma evidente semelhança entre os talentos das duas cantoras. Ambas representam a nova geração do soul inglês inspiradas em divas como Ella Fitzgerald e Etta James. Me parece também que Amy (morta aos 27) e Adele, que hoje tem 23, incorporaram inspirações pops vindas de Madonna e Michael Jackson.

Mas Adele tem personalidade própria. Até o momento não saíram outras notícias sobre ela que não seja para falar de sua música. Já Amy, bem… segundo a autópsia, ela morreu após ingerir muito álcool. Amy cantava que não queria reabiliatação e as letras de Adele geralmente versam sobre desilusões amorosas. Foi como Adele disse na entrevista para a Rolling Stone. Ela não está preocupada com badalações ou em ficar em primeiro lugar nas listas. Ela apenas quer fazer boa música. E está conseguindo.

A gostosa “Rolling In The Deep”

A poderosa “Someone Like You”

E o vídeo que eu fiz de uma cantora californiana interpretando Adele

Confira tradução de “Someone Like You”

Alguém Como Você

Eu ouvi dizer que você está estabilizado
Que você encontrou uma garota e está casado agora
Eu ouvi dizer que os seus sonhos se realizaram
Acho que ela lhe deu coisas que eu não dei

Velho amigo, por que você está tão tímido?
Não é do seu feitio se refrear ou se esconder da luz
Eu odeio aparecer do nada sem ser convidada
Mas eu não pude ficar longe, não consegui evitar

Eu tinha esperança de que você veria meu rosto
E que você se lembraria
De que pra mim não acabou

Deixe para lá, eu vou achar alguém como você
Não desejo nada além do melhor para vocês dois
Não se esqueça de mim, eu imploro
Vou lembrar de você dizer:
“Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere”

Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere, é

Você saberia como o tempo voa
Ontem foi o momento de nossas vidas
Nós nascemos e fomos criados numa neblina de verão
Unidos pela surpresa dos nossos dias de glória

Eu odeio aparecer do nada sem ser convidada
Mas eu não pude ficar longe, não consegui evitar
Eu esperava que você veria meu rosto
E que você se lembraria
De que pra mim não acabou

Deixe para lá, eu vou achar alguém como você
Não desejo nada além do melhor para vocês dois
Não se esqueça de mim, eu imploro
Vou lembrar de você dizer:
“Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere”

Nada se compara, nenhuma preocupação ou cuidado
Arrependimentos e erros, são feitos de memórias
Quem poderia ter adivinhado o gosto amargo
Que isso teria?

Deixe para lá, eu vou achar alguém como você
Não desejo nada além do melhor para você
Não se esqueça de mim, eu imploro
Vou lembrar de você dizer:
“Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere”

Deixe para lá, eu vou achar alguém como você
Não desejo nada além do melhor para vocês dois
Não se esqueça de mim, eu imploro
Vou lembrar de você dizer:
“Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere”

Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere, é

3 Comentários

  1. O que me intrigava sobre a Amy, além de cantar muito, era o fato de que suas letras retratavam a verdade nua e crua, sem rodeios ou metáforas.
    Já a Adele fala de forma menos objetiva e de um tema que muitos já falaram, mas que nem por isso deixa de ser fantástica.

  2. há reportagem da moça, inclusive, no jornal o qual o senhor trabalha! :

    • Felipe Branco Cruz

      Reportagem assinada por vossa senhoria, inclusive. Acontece que nunca dei a devida atenção a ela. Fato que só ocorreu recentemente. Gostei muito do que ouvi.

O que você achou dessa notícia? Comente