15/12/2017

Henrique Fogaça: Cozinha Hardcore, Chef Metal

Por Felipe Branco Cruz
Publicado originalmente no 89 Rock Feed

Henrique Fogaça, 40 anos, se define como ‘um chef metal’. Além de ficar famoso em todo o país como jurado do programa Master Chef, da Band, Fogaça é dono do elogiado restaurante Sal e dos bares Cão Véio e Admiral’s Place. E ainda arranja tempo para ser o vocalista da banda de hardcore Oitão. Multitalentoso, Fogaça divide seu tempo entre a música e a gastronomia e usa a criatividade tanto para criar novos pratos quanto para compor novas músicas, tudo isso inspirado em seu cotidiano.

Foi assim com o segundo disco autoral do Oitão, que está em processo de masterização e tem como nome provisório ‘Pobre Povo’. E também com o prato ‘Black Metal’, um risoto de lula com queijo de cabra. O prato é a novidade do cardápio do restaurante Sal Gastronomia, cuja receita o chef cedeu com exclusividade para A Revista Rock. “Gastronomia não pode ser artigo de luxo”, diz ele. “O tempo inteiro estou na correria e minha vida sempre foi assim. De um jeito ou de outro eu tento equilibrar tudo”, completa.

Quando tinha 22 anos, Fogaça mudou-se do interior de São Paulo para a capital com o objetivo de fazer uma faculdade. Mas, em 2001, apaixonado por gastronomia, largou tudo e entrou em um curso de chef. Em seguida fez estágios em grandes restaurantes até abrir o seu próprio espaço, o Sal Gastronomia.

Fã de Ramones, Fogaça conta que batizou o risoto negro de ‘Black Metal’ porque ele leva tinta de lula, o que deixa o prato com uma coloração escura. “É uma combinação bacana e deliciosa”, garante. “Procuro testar coisas novas, brincar com as cores, com a apresentação.” Curiosamente o prato não foi criado enquanto o chef ouvia black metal. Tampouco ele recomenda apreciá-lo ouvindo o estilo musical. “Esse risoto não é para comer ouvindo metal”, brinca.

Após aparecer no Master Chef, da Band, Fogaça ganhou mais fama e seus restaurantes passaram a ter fila de espera. Mas seu talento já era reconhecido muito antes disso. Em 2008, ganhou o título de Chef Revelação da revista Veja SP e, no ano seguinte, o mesmo título da revista Prazeres da Mesa. Em 2009 também ganhou o prêmio Paladar, do jornal O Estado de S.Paulo, pela Melhor Carne de Porco. Mas nem por isso Fogaça deixou a fama subir a cabeça. “A repercussão do Master Chef tem sido boa. É uma competição que prende a atenção das pessoas, uma produção bem feita e uma extensão do meu trabalho”, explica.

Para o chef, música e comida têm tudo a ver. “A música está muito presente em minha vida. A gastronomia também. A comida alimenta o corpo e a música alimenta a alma. Sou um chef metaleiro”, diverte-se. A banda Oitão foi formada em 2008 e hoje já conta com um fã-clube de respeito. O primeiro álbum, ‘4º Mundo’, ganhou elogios da crítica especializada e contou com a participação de nomes como Jão (Ratos de Porão), Marcão (Lobotomia) e Marcus D’Angelo (Claustrofobia). “O rock não morreu. Ainda está forte”, garante o chef-vocalista.

O Cão Véio talvez seja o estabelecimento de Fogaça que mais combina com sua personalidade. O bar do chef tem como público alvo os amantes de cerveja e aqueles que curtem pratos rápidos e saborosos. O lugar é todo decorado com elementos vintage e tem em sua carta de cervejas a exclusiva Fogaça Pale Ale, uma cerveja desenvolvida sob a supervisão do próprio chef. Seu risoto de lula pode ser muito sofisticado, mas com certeza a cerveja de Fogaça é perfeita para se apreciar ouvindo heavy metal.


O que você achou dessa notícia? Comente