15/12/2017

Seis vezes em que ‘Resident Evil’ nos ensinou a sobreviver aos zumbis

Por Felipe Branco Cruz
Publicado originalmente no UOL em 27/01/2016

Se até o Pentágono dos Estados Unidos acredita que algum dia poderíamos sofrer um ataque zumbi, por que duvidaríamos? Em 2014, a revista “Foreign Policy” revelou um documento elaborado pelo departamento de defesa norte-americano para combater os mortos-vivos.

Mas, convenhamos, se existe alguém que sabe como enfrentar um apocalipse zumbi, e que pode nos ensinar alguma coisa, essa pessoa é Alice. A personagem de Milla Jovovich na franquia “Resident Evil” sobreviveu (e permaneceu linda) aos cinco filmes anteriores. A sexta e última parte da saga já está nos cinemas.

E, após uma minuciosa análise de todos os títulos da franquia, percebemos que Alice só sobreviveu até agora porque tomou algumas medidas essenciais para a sua segurança. Afinal, o que realmente importa em “Resident Evil” é a sobrevivência da humanidade.

Veja abaixo as dicas e fique preparado para o apocalipse. Lembre-se: muito cuidado com guarda-chuvas alvirrubros e com hologramas vermelhos de crianças.

O que aprendemos com Alice:

Atire primeiro, pergunte depois

Alice aprendeu da maneira mais difícil que no mundo de “Resident Evil” não há inocentes. Se no primeiro filme da franquia ela hesitava em atirar (e por causa disso ganhou vários cortes e hematomas), com o passar dos anos ela descobriu que a maneira mais garantida de sobreviver em um mundo tomado por zumbis é seguir a máxima: “Atire primeiro, pergunte depois”. Nesta 6ª parte, em pelo menos três situações, Alice só se safou porque atirou –ou esfaqueou, chutou e socou– sem pestanejar.

Se vir um zumbi, mate. Se vir uma horda, corra

Alice sabe lutar e atirar muito bem. Ela sabe que dá para matar um zumbi na boa, afinal, o monstrão tem aquele jeito malemolente de andar que facilita a nossa defesa. Mas se há uma coisa que Alice aprendeu é que é impossível vencer uma horda enfurecida de zumbis, principalmente à noite. Neste caso, a melhor solução é correr. Neste último filme, há uma cena em que Alice consegue enfrentar um exército de mortos-vivos, mas ela está abrigada atrás de uma fortaleza e tem um reservatório de gasolina pronto para ser incendiado.

Evite entrar em corredores estreitos

Desde o primeiro filme, quando Alice tenta escapar da Colmeia (um laboratório secreto subterrâneo), percorrer corredores estreitos sempre foi um problema. Evite! Em 100% dos casos, esses corredores guardavam armadilhas fatais, como raio lasers, inundações, alçapões, lâminas afiadas, prensas mecânicas e, claro, hordas de zumbis correndo em sua direção.

Tenha armas guardadas em diversas partes do corpo

As roupas de couro ou vinil que a personagem Alice usa (e que foram desenhadas pela própria atriz Milla Jovovich) não são apenas descoladas. Elas também guardam diversos bolsos, coldres e compartimentos secretos onde são armazenadas diversos tipos de armas e munições. Se puder, faça como Alice. Arme-se com espadas, peixeiras, facas, fações, cutelos, estiletes, revólveres, pistolas, fuzis, granadas, bazucas, tudo que tiver disponível. Naquela correria para escapar de um zumbi, você pode perder a arma que estava em sua mão e a salvação pode ser aquela faca de cozinha que ficou escondida num coldre amarrado no tornozelo.

Se alguma coisa se mexer, corra!

A cena é clássica e está presente nos seis episódios da franquia. Acontece sempre: há tensão no ar, o lugar está escuro e em silêncio quando um barulhinho maroto em um cantinho desperta a atenção. O que os personagens fazem? Vão checar o que está acontecendo e, invariavelmente, trata-se de um zumbi gigante geneticamente modificado. Não arrisque. Ouviu alguma coisa, corra. Mas corra para uma área aberta. Não adianta fugir para o sótão ou para o porão, porque aí é morte na certa.

Não confie em ninguém

Em todos os seis filmes da franquia, Alice foi traída por alguém. No primeiro, ela surge inocente e sem memória, mas logo percebe que aquele homem de figura paternal é o vilão da história. Nos filmes seguintes, ela foi traída por todo tipo de gente, especialmente pela Rainha Vermelha, que é uma inteligência artificial representada por um holograma vermelho de uma menina. A dica é: em um mundo tomado pelo apocalipse zumbi, é cada um por si.

O que você achou dessa notícia? Comente